19 de fevereiro de 2010

Lobisomen, um filme digno


Tenho lido comentários de pessoas que amaram e outras que nem tanto… mas eu confesso que gostei bastante.
Apesar de não ter visto o original em que o longa se propõe a fazer um remake, pelo menos uma coisa é notável a olho desatento, a forma transmutada da fera é semelhante ao do clássicos sem se perder em absurdos efeitos visuais como ’Anjos da noite’ e (eca) ‘Saga Crepúsculo’. Mas não posso afirmar que seja na mesma linha do antecessor em questão, por isso assumo esse dever de casa pra depois.rs
Sobre o filme? É bem verdade que fui com expectativas altas e muito animada, afinal é o Anthony, o Del Toro… tuo isso implica numa esperança de boa diversão e bons resultados.
Eu achei muito bons os efeitos, e confesso que me encanta mais o tipo de efeito “cru, o mais real do que aqueles tipo “fundo chroma” na linha Avatar. Eu sei que ali (Lobisomem) também tinha esse recurso, e outros tantos, mas é tudo mais “real”… Aquelas maquiagens, os figurinos… tudo faz parte de um encanto mágico.
Mas aqui nesse post, bem rápido e sem muita profundidade…rs, preciso ressaltar um ponto que se destacou durante todo o filme, pelo menos pra mim. A trilha sonora! Sim, os temas são muito bons, e eu particularmente achei que lembrou muito os temas de Drácula do Coppola. E esse achismo vai desencadear uma corrente de pesquisas e leituras pra descobrir alguma coisa que possa tirar essa dúvida. Mas numa breve busca na internet eis que tenho uma grata surpresa (não lembro de ter lido isso antes, mas vindo de mim não é muito difícil) e descubro que a trilha sonora foi obra do Danny Elfman. (veja ficha técnica completa aqui)
Fora isso, as caras do Anthony e alguns momentos me renderam um pensamento avulso: “Total Lecter, heim…”rs
Caso queira um outro ponto de vista, alguém que não tenha morrido tanto de amores…rs… achei essa interessante no dite Bem Paraná.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...