5 de abril de 2013

Um dia frio e uma caneca de chá

Agora parece que vai, acho que o friozinho chega de vez. (assim espero)
E para os dias de frio, o para a simples vontade de ficar em casa, sentada lendo um livro, assistindo um bom filme ou aquela preguicinha gostosa - em especial em dias chuvosos como o de hoje - além dos rituais básicos de cobertor e boa companhia, que tal um chá quentinho? E se for um chá diferente e deliciosamente mágico, que remete à infância? Parece bom né? E adivinhe, de fato é...rs
Sempre achei chá coisa de gente mais velha, sei que não faz sentido, mas é o tipo de lógica infantil que sem querer levamos para a vida adulta. Bom isso mudou faz algum tempo, quando comecei a acompanhar minha mãe nos chás da tarde ou noturnos que ela costuma se proporcionar, mas eu nunca ousava além do meu chá mate natural e qualquer outra opção parecia absurda já que eu sou meio enjoada e gosto de coisas extremamente doces (sim, meu chá mate fica parecendo calda de melado e sei que isso não está certo, mas a gente pode abusar vez ou outra né?!). Sempre com olhar desconfiado para as caixinhas de camomila e cidreira, sem motivo além da minha simples teimosia infantil ainda que tardia, mas de qualquer forma ainda não era um gosto, era mais uma coisa que eu compartilhava com minha mãe, e acho que começou mesmo pelo simples fato da companhia dela. 
Parece bobo, mas a história só mudou um pouco quando fui para Dublin e lá no quarto do hotel encontramos aqueles saches para consumo e a tal chaleira elétrica que tinha no quarto, mas não foi assim num passe de mágica, foi mais uma questão frio e fome e fuga...rs (calma eu explico) É que depois de tanto tempo sem dormir direito até chegar lá, não foi fácil acordar em tempo do primeiro café da manhã do hotel, então nos viramos com o que tínhamos para pelo menos não sair arrastando corrente e nos situarmos melhor, então ligamos a chaleira fizemos o café com leite do saches e descobri que para meu paladar estava simplesmente intragável e persistir naquilo não seria uma boa ideia  então vi o chá ali no canto da mesa e sabe aquele sentimento de que "pior não fica"?! Pois é, lá fui eu arriscando o que restava do meu estomago, e lá estava uma grata surpresa, um chá delicioso e que me fazia lembrar do meu mate querido! Então quase que todos os dia arrisquei um pouco do chá e fui me acostumando que não era assim coisa de gente mais velha... Bom, peguei gosto e curiosidade, e continuo adorando meu mate e a companhia da mamãe no ritual dos dias de friozinho. Vez ou outra eu dou uma volta nos empórios de produtos importados para ver se alguma coisa me apetece, bem na verdade são várias, mas...
Outro vi um chá de cereja não me contive e levei para casa, para compartilhar com minha mãe. Se você olhar só saquinho e sentir o cheiro ainda seco não espera muita coisa, mas assim que a água começa a diluir o conteúdo a mágica começa, uma cor linda surge e uma cheiro de dar água na boca (sem trocadilhos)... Sabe gelatina de cereja? Tem esse mesmo cheiro! E eu que adorava beber gelatina ainda quentinha lembrei logo de todas vezes em que minha mãe fazia gelatina quando era criança...rs

A parte gostosa é que além de ela também ter gostado e lembrado dessa história, foi que ela mesma também não resistiu e já comprou outro sabor para provarmos e já tem planos dos próximos sabores na lista ...rs Dessa vez ela comprou o de frutas silvestres, que por sinal é ainda mais gostoso que o anterior...rs

Bom, agora estou na busca por chá com ou de baunilha (sim, sou a louca da baunilha...rs) Cheguei a ver um que era chá preto com baunilha, mas não sei... e ainda mais agora que vi um que me deixou com vontade absurda de provar, não sei nem se é bom, mas sabe quando fica a cisma?rs
É de rosa com baunilha francesa... fala se não dá vontade? 
Esse ficou para a próxima...rs Por enquanto a meta é consumir e depois comprar mais para não ficar comprando e deixando de lado, mas pelo que eu vi, não demora muito para ter que repor...rs

Bjos

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...